A trilogia da promoção em saúde, consulta de enfermagem e gestão em saúde: O entrelaçar reflexivo
Escrito por Miriam Marinho Chrizostimo e Ann Mary Machado Tinoco Feitosa Rosas
Qui, 16 de Fevereiro de 2012 00:00

MIRIAM MARINHO CHRIZOSTIMO

Mestre em Educação.

ANN MARY MACHADO TINOCO FEITOSA ROSAS

Doutora em Enfermagem.

Promoção da Saúde aqui discutida é percebida como ferramenta de enfrentamento do fato sanitário que hoje se apresenta; indução para a meditação sobre o componente saúde e condição para o adereço da ação integrada e transdisciplinar.

As diferentes dimensões da promoção da saúde incluem as experiências humanas nos contextos sociais, políticos, econômicos e culturais, e são colocadas em destaque os saberes e as ações produzidas nos diferentes campos do conhecimento e das atividades a serviço da saúde.

Promover saúde é aceitar o desafio de aflorar a ação que compreende a articulação entre as parcerias institucionais com atuações intersetoriais e participação popular, que otimize os recursos disponíveis e garanta sua aplicação em políticas públicas de saúde que respondam efetiva e integralmente às necessidades da sociedade.

O Sistema Único de Saúde (SUS) por ser um sistema democrático favorece mudança na prática da gestão. Neste sistema é fundamental construir pactos entre gestores federal, estadual e municipal que venham privilegiar a reorganização da lógica de gestão do sistema.

Assim, o Pacto pela Saúde emerge do Ministério da Saúde no ano de dois mil e seis. Conforme define (BRASIL, 2006), esse pacto é definido como.

Já o terceiro bloco, o 1/5 restante da humanidade tem a responsabilidade econômica de apenas 1,4 % do PIB mundial e 1 % do comércio mundial e não possui nenhuma responsabilidade de consumo por não ter acesso, a não ser em casos excepcionais, a veículos aéreos ou motorizados, eletricidade, telefone, computadores, Internet ou outros elementos do chamado mundo global.

 

"um conjunto de reformas institucionais do SUS pactuado entre as três esferas de gestão (União, Estados e Municípios), com o objetivo de promover inovações nos processos e instrumentos de gestão, visando alcançar maior eficiência e qualidade das respostas do Sistema Único de Saúde. Ao mesmo tempo, o Pacto pela Saúde redefine as responsabilidades de cada gestor em função das necessidades de saúde da população e na busca da equidade social".

 

A execução da política pública de saúde, através do Pacto pela Saúde, fortalece o dialogo entre a prática e a concepção vigente de saúde que favorece a vida em toda dimensão independente de valores sociais, culturais e históricos em movimento. Como também, otimiza recursos disponíveis e garante a aplicabilidade destes recursos em política que responde com qualidade às necessidades da sociedade.

A ação programática em saúde carece da incorporação do agir social de modo que o cuidar seja com escuta, acolhimento e humanização ao cliente na promoção em saúde, prevenção, tratamento e reabilitação. A metodologia de trabalho da equipe de saúde é pautada na construção coletiva do processo de trabalho em prol do cuidado do cliente. E, a gestão na realidade sanitária procura fazer e acontecer de forma eficiente e eficaz evidenciando a resposta do Sistema Único de Saúde.

As conseqüências ecológicas da apropriação humana da produção orgânica bruta da natureza, e a perversidade da distribuição da produção e do uso da riqueza e dos recursos naturais analisadas sob o enfoque do "novo realismo ecológico" estudado por J. A. Pádua podem ser desveladas mediante esses indicadores extremamente reveladores que ajudam a compreender os impactos causados por esse alto padrão de consumo. Cabe lembrar, como bem aponta o autor, que a desigualdade aparece na paisagem material de qualquer sociedade, tanto na materialidade quanto nos cálculos sobre a desigualdade no consumo de recursos.

Destarte, a consulta de enfermagem precisa ser inserida no cotidiano do enfermeiro. A tabela de financiamento do SUS contempla este procedimento, tendo remuneração específica dentre a consulta de nível superior. Os programas das três esferas de governo garantem a participação do enfermeiro com a atividade assistencial com atribuição exclusiva do enfermeiro.

O enfermeiro tem obrigação de fazer incidir nos serviços de saúde a consulta de enfermagem nos diferentes níveis assistenciais. A oferta desta atividade assistencial com ações múltiplas e articuladas interna e externamente, envolvendo equipe multiprofisssional, práticas interdisciplinares e intersetoriais, faz com que a convivência profissional-paciente-família estimule a relação social, permite a troca de informações e admite apoio mútuo.

O fundamento operacional da consulta de enfermagem pauta-se em elementos como: diálogo comunicativo com abordagem clínica e social da saúde; processo de educação interativa; investigação, diagnóstico e intervenção. Para o alcance do desenvolvimento da autonomia e responsabilização em torno do processo de vida e saúde do cliente, o enfermeiro precisa conhecer a missão, visão e princípios do método de trabalho que está executando. O enfermeiro para realizar a atividade consulta de enfermagem carece encontrar-se preparado para desempenhar tal função.

A Consulta de Enfermagem / CE orienta as ações do enfermeiro dispensadas ao cliente, estando abalizada na cientificidade. Esta atividade assistencial supõe a entrevista para coleta dos dados, o exame físico, o estabelecimento do diagnóstico de enfermagem, a prescrição, a implementação dos cuidados e a orientação das ações relativas aos problemas encontrados. A partir do diagnóstico efetivado, a enfermeira adota conduta de resolutividade, no caso de escapar ao seu âmbito de atuação, reconhecer vulnerabilidades subjetivas, sociais, institucionais e encaminhar ao profissional ou serviço competente.

Sendo assim, observa-se que a trilogia entre a promoção em saúde, consulta de enfermagem e gestão em saúde é imperiosa. A reflexão traz o entrelaçar desta tríade, pois a promoção em saúde como ferramenta de enfrentamento do fato sanitário; a consulta de enfermagem como estratégia da ação do enfermeiro nos programas de saúde dando respostas aos problemas de saúde, e a gestão com o compromisso de fazer acontecer à eficiência e eficácia no Sistema Único de Saúde, tornando o sistema de qualidade, chega-se à conclusão que não se faz uma sem a outra.

A indução para a meditação sobre a saúde e o significado desta tríade faz com que o indivíduo busque o significado do seu ato, trazendo a consciência à importância para o mundo da vida, no que se refere a seu vivido e à significação da ação do enfermeiro como ator social.

Assim sendo, o significado recomenda um estilo simbólico por parte do ser, um caminho reflexivo de sua própria consciência para manutenção da vivência do enfermeiro com a consulta do enfermeiro, promoção da saúde e gestão.

REFERÊNCIAS

  • BRASIL, Ministério da Saúde. “Pacto pela saúde”. Disponível em: www.saude.gov.br, 2006, acessado em: 07 / 03 /07. AYRES, J. R. de C. M.; F. JUNIOR, I. Saúde do adolescente. In: SCHRAIBER, L. B.; NEMES, M. I. B.; MENDES-GONÇALVES, R. B. (Org.). Saúde do adulto: programas e ações na unidade básica. São Paulo: Hucitec, 1996. p. 66-85.
  • COUTINHO, M. de F. G.; BARROS, R. do R. Adolescência: uma abordagem prática. São Paulo: Atheneu, 2001.
  • CHRIZOSTIMO, M. M. Promoção da saúde e o processo de gestão: um desafio? Disponível em: .Acessado em 07 / 03 /07.
  • CHRIZOSTIMO, M. M. Onde a gestão do sistema encontra com a Promoção da saúde? Disponível em: .Acessado em 07 / 03 /07.
  • FRANÇOSO, L. A.; GEJER, D.; REATO, L. de F. N. Sexualidade e saúde reprodutiva na adolescência. São Paulo: Atheneu, 2001.
  • SAITO, M. A.; SILVA, L. E. V. da. Adolescência: prevenção e risco. São Paulo: Atheneu, 2001
  • ROSAS, A. M. M. T. F. O Ensino da Atividade Assistencial-Consulta de Enfermagem: O típico da Ação Intencional. 2003. 180 f. Tese (Doutorado em Enfermagem), Escola Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 2003.

 

MIRIAM MARINHO CHRIZOSTIMO - Enfermeira. Mestre em Educação. Docente do Departamento de Fundamentos de Enfermagem e Administração (MFE), da Escola de Enfermagem da Universidade Federal Fluminense.

ANN MARY MACHADO TINOCO FEITOSA ROSAS - Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente do Departamento de Metodologia, da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

 

curso-progredir-material-artigos-0003-concepcao-do-enfermeiro-sobre-gerenciamenteo-do-custo-hospitalar
Autor  Data 07-03-2013 Tamanho 367.8 KB Download 105
 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Seja Nosso Parceiro